Senhora do Monte

quinta-feira, março 10, 2005

Razão para a pressa abortiva do Xicleto

Naquilo que pode ter sido um «lapsus linguae», ou a revelação de uma preocupação íntima, Louçã revelou hoje à TSF a razão principal pela qual pretende «forçar» um referendo abortivo ainda este ano. Disse o líder bloquista que o referendo deve ser rápido até por não se saber qual a posição que sobre a matéria terá o futuro Presidente da República - que é quem, em última instância, tem o poder constitucional de convocar referendos. Se pensarmos que os dois candidatos presidenciais neste momento mais bem posicionados em termos de sondagens são o Professor Cavaco Silva e o Eng. António Guterres, a preocupação de Louçã talvez faça sentido. Por outro lado, é evidente que esta leitura não pode ser ignorada por José Sócrates. Que, ao remeter o referendo abortivo para não antes de 2006, havendo a possibilidade de o Presidente da República da altura poder não dar acolhimento à iniciativa, denota, na prática, inegavelmente pouco interesse na sua realização. Se não pelas palavras, seguramente pelos actos.... Do mal, o menos...