Senhora do Monte

domingo, fevereiro 27, 2005

E Durão Barroso?

Quando, há cerca de quatro anos, sendo ainda primeiro-ministro de Portugal, António Guterres rejeitou a possibilidade de presidir à Comissão Europeia, optando por permanecer na chefia do governo, afirmou, em entrevista à TSF, que tal oportunidade certamente nunca mais se proporcionaria, dado que «o comboio da vida não pára duas vezes na mesma estação». Quando esse mesmo comboio parou à porta de Durão Barroso, este entendeu dever apanhá-lo. Foi muito bom para o próprio. Foi lisonjeiro para o País. Está, todavia, ainda por apurar é qual a verdadeira responsabilidade de Durão Barroso na hecatombe eleitoral da direita democrática do passado domingo. Sendo certo que parece de todo injusto atribuir a Santana Lopes a totalidade da responsabilidade por esse desaire - pese embora a impreparação e incompetência absolutas de que deu imensas provas para o exercício da função. Se compararmos o resultado da coligação de direita nas eleições europeias com a soma dos resultados dos dois partidos que a integraram no passado domingo, ver-se-á que a diferença andará pelos 3%. Tendo a acreditar que essa é a verdadeira dimensão da «culpa» de Santana Lopes

2 Comments:

  • Discordo que a ida de Durão Barroso para a Comissão Europeia tenha sido lisonjeiro para o país.
    As Nações Unidas, por exemplo, têm uma visibilidade internacional e uma importância muito superior à da Comissão Europeia. E quem sabe que o Kofi é natural do Gana?
    A ida de Durão para a Comissão Europeia deve ter sido feita à nossa custa. É cada vez mais óbvio que Durão há muito que preparava esta ida convencido, e com razão, de que em Portugal não ganharia mais nenhuma eleição.
    E então é de apurar quais as cedências que ele fez com o nosso país para ganhar o lugar. Sim, quanto é que nos custou a ida de Durão para a Comissão Europeia?
    Talvez Vitorino que o deve ter ajudado possa esclarecer qualquer coisa...
    Quanto a Santana Lopes caíu numa armadilha. Ele nunca devia ter aceite ir para o governo sem eleições. Parece mesmo que era o que ele queria mas o PSD teve medo. Se tivesse havido eleições há 5 meses com o Santana contra o Ferro Rodrigues sou de opinião de que as hipóteses do PSD eram muito, muito superiores ao que aconteceu na semana passada. Santana de nenhuma forma estava derrotado à partida.
    Quanto à "impreparação" de Santana para o lugar é um mito. Santana estava tão impreparado como outros. De qualquer forma entre os primeiros ministros que o PSD nos presenteou (Cavaco, Durão) não tenho dúvidas em afirmar que o Santana era o menos mau de todos. Aconteceu é que foi sujeito a uma guerra de desgaste feita pelo seu próprio partido. Guerra essa que obviamente deu os seus frutos.
    É bom que o povo português não se esqueça das atitudes de indivíduos como Cavaco Silva que nesta eleição mostraram a sua verdadeira face.
    Apesar de tudo quem ainda se comportou melhor foi o Durão.

    By Blogger O Raio, at 10:18 da manhã  

  • Será que desta vez percebeu a mensagem das eleições? É o grande responsável pela queda vertiginosa do PSD após terem passado apenas três anos da saída de Guterres. Em primeiro lugar porque nunca conseguiu reformar Portugal. Em segundo porque ao sair matou as suas próprias políticas e nunca vai poder provar que tinham sentido. E por último porque entregou o PSD e Portugal a um homem sem perfil para o cargo. Barroso pediu sacrifícios e foi o único a não fazer nem um...

    By Blogger Ricardo, at 6:26 da tarde  

Enviar um comentário

<< regressar à página de entrada