Senhora do Monte

segunda-feira, fevereiro 21, 2005

Alguém me sabe explicar....

.... (mas com decência e correcção!) qual a utilidade dos partidos políticos marginais e residuais? Este, por exemplo:

Teve apenas 40.000 votos. Menos votos e menor percentagem que o MRPP(!). No concelho de Aveiro, por exemplo, obteve a expressiva votação de 300 votos (!). Alguém me pode explicar para que serve isto? É que o povo já explicou - não serve para nada! Mas o povo, claro, pode estar enganado. Se alguém tiver outra explicação...

Adenda - o bonequinho que aparece a ilustrar este post não é o original e teve de ser trocado uma vez que o uso do original não foi autorizado pelo detentor do seu copyright com o argumento incontornável de que este post era crítico para com a entidade visada. Uma tal posição, que tanto enobrece quem a tomou e releva do mais elevado espírito democrático (ou será neo-democrático?), pode ser encontrada num dos comentários a este post...

19 Comments:

  • Pelo menos "as andorinhas" não deixam comentários anónimos nos blogues...

    É uma questão de estilo...

    Quando se escreve muito sobre um tema começa a ser obsessão!

    Nuno Moreira Almeida
    www.artedeopinar.weblog.com.pt

    By Anonymous Anónimo, at 6:40 da tarde  

  • O senhor jpd deve ser dos tais que crê só ser útil votar no PS e no PSD.

    Estranho sentido de democracia: para este senhor só deve haver espaço para os grandes!

    Já agora, faça a mesma pergunta ao estimado Pedro Guedes sobre o PNR...

    Nuno Moreira de Almeidsa

    By Anonymous Anónimo, at 6:43 da tarde  

  • será que "decência e correcção" serão sinónimo de comentários anónimos cobardes?

    Nuno Moreira de Almeida

    By Anonymous Anónimo, at 6:45 da tarde  

  • Caríssimos João Pedro e Nuno,
    Estava eu pouco virado para mais políticas e eis que me surge este repto. Já tenho abordado a questão, mas enfim, prometo voltar à carga assim que tiver oportunidade, leia-se, assim que recupere o muito trabalho atrasado.
    Saudações a ambos,
    PG

    By Blogger pedro guedes, at 6:59 da tarde  

  • Os partidos como a andorinha servem apenas de plataformas para projectos pessoais sem nenhum conteúdo político ou ideológico. São uma espécie de delírio momentâneo de meia dúzia de pessoas com desmedida ambição de protagonismo fácil, mas que rapidamente percebem o ridículo da “coisa” e regressam à toca. Nuno Moreira Almeida é bem o exemplo disto. Eu acho muito bem o surgimento de partidos que apenas atraiam franjas marginais de eleitorado, mas quando se percebe, como no caso da Nova Democracia, que impera o absoluto e total vazio de ideias, projectos ou capacidade política sabemos que são projectos a curto prazo. Impressionante é a forma como certas pessoas estão disponíveis a fazer fretes de elogio e defesa apaixonada de uma causa (como é o caso de Nuno Moreira Almeida) e depois se calam. O que esse senhor ainda não compreendeu é a diferença entre quem acredita num ideal e quem não acredita em nada. Garcia Pereira é coerente, defende hoje o que defendeu no passado (apesar de estar em total e em absoluto desacordo com ele) em redor dele existem pessoas que acreditam num ideal e isso é a garantia que Garcia Pereira e o MRPP nunca iram desaparecer enquanto ideal político. Manuel Monteiro é o contrario, e Nuno Moreira Almeida está lá muito bem instalado nesse grupo de gente. Quanto ao seu post de elogio a José Sócrates digo-lhe apenas o seguinte; tenha vergonha e deixe de ser hipócrita.
    R

    By Anonymous Anónimo, at 7:08 da tarde  

  • Meu caro NMA,
    Uma breve resposta a algumas afirmações que, por serem incorrectas, devem ser esclarecidas:
    1) Sobre o facto de os andorinhas não deixarem comentários anónimos nos blogues, eu não estaria assim tão certo quanto o meu amigo. Posso garantir-lho e com provas irrefutáveis: os celebérrimos IP's! Agora - não cometo a injustiça de generalizar e de dizer que todos os andorinhas o fazem. Mas que há quem o faça, meu caro amigo, não duvide nem por um segundo!
    2. Quanto à afirmação de que só é útil votar no PS e no PSD - nada mais errado, meu caro Amigo. Basta consultar uns posts mais abaixo para perceber qual o meu entendimento de voto útil. Agora, coisa bem distinta é o VOTO INÚTIL. E é desse, meu caro, que eu quis tratar. Porque, salvo melhor opinião, o voto, POR EXEMPLO, no PND afigura-se completamente inútil. Dêem-me algumas razões para a sua utilidade: eleger deputados? condicionar um governo? exercer o poder? determinar alguma política sectorial? representar no parlamento quem ou o quê? Eu admito, modestamente (como gosta de dizer o seu líder...) que quem vota no PND (ou em algum outro partido residual) veja alguma utilidade nesse voto. Mas peço-lhe desculpa por eu não a descortinar. Defeito meu, seguramente...
    3. Quanto ao meu sentido de democracia - está enganado! Eu não questiono ou discuto a existência de partidos que não contam. Deixem-nos existir! Eu limito-me a perguntar para que serve votar neles. Apenas e só isso - para que serve votar neles!
    4. Finalmente - quanto à questão da decência e correcção. Como o meu amigo sabe (porque anda nestas coisas dos blogs há muito mais tempo do que eu) nem sempre a correcção e a decência são apanágio de quem por aqui aparece a comentar. Assumidamente não é o seu caso! Que ocomenta com elevação e - coisa rara! - dá a cara, assume-se e assina! Louvo-o por isso. É assim que deve ser. Mas como reconhecerá, há por aí muito cobardola que tem vergonha em assumir a sua própria identidade. É para esses que a nota se destinava. para antecipadamente os esclarecer, a esses, que mesmo que deixem o seu comentário, terão como resposta o mais desprezível e completo silêncio. Como já escrvi algures, para os diálogos serem «iguais» tem de haver igualdade de armas. E a primeira delas é a completa assunção da personalidade de cada um.
    5. Uma nota final para a «obsessão» - só costumo ser obsecado com aquilo que realmente vale a pena! O resto não me obceca - diverte-me!
    Cumprimentos amigos e volte sempre a esta casa! Será bem recebido e os seus comentários são sempre um estimulante desafio. Bem-haja por eles! JPDias

    By Blogger Joao Pedro Dias, at 7:21 da tarde  

  • O PND serviu magistralmente para o fim único com que foi criado: permitir ao Dr Manuel Monteiro vingar-se do Dr Portas.

    É uma aritmética muito simples ver que os votos desviados para o PND chegariam à larga para manter o CDS como terceira força política.

    By Blogger ajc, at 7:47 da tarde  

  • Aconselho o amigo ajc a ler o que o Carvalho Fernandes escreve no www.fumacas.weblog.com.pt sobre esse tema.

    Nuno Moreira de Almeida

    By Anonymous Anónimo, at 8:00 da tarde  

  • Caro JPD,

    são a essência da Democracia.
    a norma constitucional que proibe a existencia de partidos fascistas, como sabe é inconstitucional, senão porque permite a existência de partidos de extrema-esquerda?
    É a Democracia, infelizmente...

    By Anonymous Golfinho, at 12:44 da manhã  

  • Como Manuel Monteiro deve estar a chorar por não poder aproveitar a (aparente) saída de Paulo Portas do PP....

    By Blogger Ricardo, at 2:47 da manhã  

  • Registo que mais uma vez mudaste de opinião. Quando o CDS/PP tinha 4% não falavas assim.

    Mas para quem já foi no passado federalista, passou a anti-federalista e voltou posteriormente a federalista, nada me espanta já.

    Aproveito para solicitar a retirada imediata do link directo que está no logotipo que colocaste. Para além de ser de mau gosto colocar um link e utilizar a largura de banda paga por outros para os criticar, legalmente não tens autorização para o fazer e não a darei. Sobre este assunto, relembro apenas o copyright do Democracia Liberal:

    Sobre o © do Democracia Liberal™

    Nenhuma das informações, notícias, fotografias, crónicas, artigos e reportagens, pode ser reproduzida, a que título for, sem o acordo formal do Democracia Liberal™.

    By Blogger João Carvalho Fernandes, at 9:36 da manhã  

  • Todo o grande partido começou por ser um pequeno partido.
    O PPD/PSD, por exemplo, começou com quatro militantes.
    Questionar a utilidade dos pequenos partidos é o embrião da ditadura.
    Já agora, o BE, que arrecadou seis virgula tal por cento de eleitorado foi constituído por pequenos partidos, PSR, UDP, Democracia XXI, etc.

    By Blogger O Raio, at 1:32 da tarde  

  • Meu caro João Carvalho Fernandes,

    Mas que post tão «azedo»! Mas que diferença daquela urbanidade que me habituei a admirar em ti! Mas que «mau feitio» revelado! Vejo que, pelos vistos, a noite de 20 de Fevereiro provocou uma «azia» grande, que ainda não passou! Mas com o mau feitio, ou com a falta de urbanidade, ou com a azia - eu até sei conviver. Agora, com a mentira é que não. E no teu comentário há, digamos assim, algumas inverdades (para não lhes chamar mentiras). E também algumas falácias. Ora vejamos:

    1. Dizes que quando o CDS tinha 4% eu não falava assim! Bom, além de falácia, é presunção. É presunção quereres comparar o CDS, mesmo o dos 4%, ao PND. Repara: mesmo com 4% o CDS elegeu deputados (e o PND?); mesmo com 4% o CDS era presidido por um «senhor», Adriano Moreira (e o PND?); mesmo com 4% o CDS tinha uma história (e o PND?). Não podemos, pois, comparar o que não é comparável. Fazê-lo não é sério. É uma falácia.

    2. Dizes que fui federalista, deixei de o ser e voltei a sê-lo. Uma vez mais - tiro ao lado, meu caro. Relembremos as coisas: há 15 anos que estudo as coisas da Europa. Mas sobre elas, ao contrário de outros, não me limito a dar palpites. Escrevo. Assumo. Publico. E ao longo de quase uma dezena de livros publicados, em todos eles, a coerência de um pensamento e de uma visão sobre as coisas da Europa vem expressa e bem patente. Mas como «elogio em boca própria é vitupério», eu limito-me a constatar opiniões insuspeitas de júris académicos e científicos que têm elogiado essa coerência doutrinária no que escrevo. E o meu amigo João Carvalho Fernandes não levará a mal que, nesta matéria, valorize mais opiniões de júris académicos e científicos do que palpites do JCF.

    Aliás, acrescem a este ponto três aspectos de relevo: há uns anos atrás, quando o, na altura, nosso comum amigo Manuel Monteiro, conjuntamente com o «Senhor 300 votos», publicaram uma edição dos Tratados Europeus, foi bem explícito o elogio e o agradecimento que deixaram expresso a este «perigoso federalista». Depois, num livro que publiquei e para o qual convidei o mesmo Manuel Monteiro a fazer o respectivo prefácio, os elogios que o mesmo deixou ao Autor foram tantos que até me deixaram embaraçado. Não me acredito que o sempre atento Manuel Monteiro se enganasse uma segunda vez, elogiando um «perigoso federalista». Finalmente, quando o mesmíssimo Manuel Monteiro, antes da aventura PND, resolveu fundar uma coisa chamada «Movimento por uma Europa Nova», o primeiro livro que foi publicado com a chancela desse Movimento foi uma «Cronologia Europeia» de minha autoria, uma vez mais prefaciada e apresentada em termos sumamente elogiosos pelo mesmo Manuel Monteiro. Ora, três enganos seria muito engano para quem tanto presume das suas certezas, não achas? Não colhe, pois, o comentário da mudança. Em questões europeias, penso hoje o que pensava antes. Admito é que alguns que me ouvem, hoje, me escutem ou me leiam de uma forma diferente do que faziam ontem. É que é sempre diferente a forma como lemos ou escutamos quem nos diz sempre «amen» e a forma como lemos ou escutamos quem se «emancipa» de certas dependências, em nome do seu pensamento próprio, devidamente assumido.

    3. Quanto à retirada do link, obviamente que a mesma será feita. Levo isso, ainda, à conta da já referida «azia pós-20 de Fevereiro». Se o JCF, aliás, reparar bem no que escreveu (e que muito honra um director de um órgão de comunicação social, não é JCF?) autorizações para a utilização de links só mesmo para quem apoiar e bater palmas. Porque autorizações para linkagens para críticas.... nada! Belo exemplo de política editorial (talvez um exemplo de uma política editorial neo-democrata). Mas enfim, levo isto à conta da tal azia.... O link será substituído... por outro não dependente de qualquer autorização!

    Ocorreu-me, aliás, lendo o teu comentário, meu caro JCF, um velho adágio popular que reza assim: «se queres conhecer o vilão, põe-lhe o poder na mão». A forma como exercitaste o teu «poder» de dar ou não uma autorização, lembrou-me o adágio popular. «Não dou autorização!». Pronto, meu caro João - sem problema algum. Não será por isso que deixará de haver uma figurinha para ilustrar tais figurinhas. Não será por isso que deixará de haver bonequinho para justificar tais bonequinhos...

    Com a elevação de sempre, mas sem nunca abdicar de deixar as críticas que me pareçam oportunas, chame-se-lhe obsessão ou qualquer outra coisa, fica um abraço para o «velho» JCF que conheci há muitos anos.

    JPD

    By Blogger Joao Pedro Dias, at 2:00 da tarde  

  • Sr JP Dias
    O facto de o Manuel Monteiro, não lhe ter dado guarida e abrigo, continua a pesar, não é?
    E de que maneira.
    Mas isso passa.
    Deixe estar que isso passa.

    By Anonymous JVP, at 5:10 da tarde  

  • Trata-se essencialmente de uma questão de educação (ou de falta dela...). Não se devem utilizar imagens colocadas em outros sites. Muito menos para dizer mal de quem está a pagar essa largura de banda...

    By Blogger João Carvalho Fernandes, at 5:30 da tarde  

  • Sabe, meu caro JVP - não recordo uma única vez em que a personalidade citada me tenha dado guarida ou abrigo! Estive com ele enquanto quis e até ao momento em que quis! E sempre com a vantagem de nunca daí ter tirado qualquer ganho material ou qualquer provento. Nem todos podem dizer isso, pois não? A outros, nomeadamente aos que ambos conhecemos, a esses foi dado abrigo e guarida. E que abrigo! E que guarida! É justo, por isso, que lhe retribuam...
    Mas também podemos falar é da situação inversa - daquelas em que tive de dar alguns abrigos e algumas guaridas. E podemos começar quando quiser... Falando de pedidos, de «cunhas» para funções para as quais não existiam habilitações suficientes.... Podemos falar disso tudo! Se há coisa que não falta, é memória! JPDias

    By Blogger Joao Pedro Dias, at 6:24 da tarde  

  • ponto 1. peço desculpa, onde está "senão" queria escrever "então";

    ponto 2. o dr. JPD mais uma vez dá aqui um excelente exemplo de abertura democrática com este debate, e através dos seus argumentos claros e esclarecedores;

    ponto 3. com "escribas" assim este blogue fica extremamente enriquecido, e já é, para mim, um dos melhores blogues políticos.

    Parabéns!

    By Anonymous Golfinho, at 10:59 da tarde  

  • Não há nada como falar do PND para haver muitos comentários. Mas há que ter calma. Não é por uma andorinha não conseguir voar que acaba a primavera... LPC

    By Anonymous Anónimo, at 11:00 da tarde  

  • ver post de 02/03/2005 em http://lapisdeminas.blogspot.com

    By Blogger Galopim Botelho, at 7:24 da tarde  

Enviar um comentário

<< regressar à página de entrada