Senhora do Monte

segunda-feira, janeiro 10, 2005

Para quê ser árbitro, se posso ser jogador?

Só pode ter sido este o raciocínio do Presidente Sampaio quando publicitou as suas ideias sobre as mudanças a operar no sistema político português, no sentido de facilitar a formação de maiorias parlamentares.
Concerteza que a oportunidade das suas declarações não é inocente.
As sondagens dizem que o PS está perto dos 116 deputados e o Presidente quis dar um empurrãozinho.
As suas declarações são, em cima da campanha eleitoral, de uma total insensatez e falta de honestidade e respeito institucional.
Mas admitámos que Sampaio não se deveria remeter a uma posição de árbitro, conforme manda o bom senso e a pose de Estado e vamos avaliar o substrato da sua declaração.
Deverá mudar-se o sistema político em Portugal?
Ninguém tem dúvidas que sim.
A principal razão para se fazer essa reflexão é o facto de o actual sistema dificultar as maiorias parlamentares?
Claro que não!
As estatísticas do pós 25 de Abril dizem que em 30 anos de democracia fomos governados em maioria em quatro ocasiões: AD, Bloco Central, Cavaco e Durão, num total de 15 anos.
E o próprio Guterres não atingiu uma maioria para 4 anos por meia dúzia de votos.
Porque trouxe então Sampaio agora esta problemática para a ordem do dia?
A resposta é evidente.
As declarações de Sampaio são uma falácia que o fragiliza e que, pior do que isso, do meu ponto de vista, contribuem para minar os cada vez mais frágeis alicerces da nossa democracia.

4 Comments:

  • Quase que concordo com este texto. Não concordo são com as conclusões finais.
    Sampaio não disse aquilo com segundas intenções, isso é valoriza-lo muito. Sampaio depois das broncas que tem dado procura a toda a força protagonismo. Não quer deixar a presidência para ser considerado pela História como o presidente mais fraco, apagado e confuso que Portugal teve depois do 25 de Abril.
    Assim vai dizendo o que lhe dá na cabeça para ver se sobressai e cria algum facto político.
    Não vale a pena ligar muito...

    By Blogger O Raio, at 11:01 da manhã  

  • Parece que é preciso decorrem quase dois mandatos para o nosso presidente meter o pé na argola...
    Acho que o pais e o mundo deviam olhar mais para a freguesia de São Jorge da Murronhanha, este sim é um exemplo der democracia a sequir, pois quando a licerança é forte não há problemas.

    By Blogger joao pedro, at 12:50 da tarde  

  • Em primeiro lugar, e juntamente com um abraço, uma referência à referência "fedorenta" do João Pedro a são jorge da Murronhanha.
    Em segundo lugar a questão do sistema.
    Deve ser a primeira vez na vida que cito Vasco P. Valente mas por uma vez...
    "Para mudar alguma coisa, como se vai tornando cada vez mais claro, é preciso primeiro mudar o regime.
    Uma verdade por enquanto proibida."
    O REGIME! não é o sistema, deixem lá o sistema.

    By Blogger Mário Antunes Varela, at 6:06 da tarde  

  • excelente o Raio quase concordou com o meu texto.
    Obrigado, Raio!

    By Blogger gelsenkirchen, at 8:10 da tarde  

Enviar um comentário

<< regressar à página de entrada