Senhora do Monte

segunda-feira, janeiro 24, 2005

CineTeatro - I

O Pianista

Roman Polansky
Ano: 2002


CineTeatro é a 6ª rubrica do Senhora do Monte, que, como o próprio nome indica, versará sobre Cinema e Teatro.
Proponho que falemos de filmes, de realizadores, de actores, de teatro e de tudo o que envolve estas duas artes da representação.
Começo com o último filme que vi, neste caso, que revi.
O Pianista, baseado no livro com o mesmo título, de Wadyslaw Szpilman.
Trata-se de uma história sobre o Holocausto.
Questionarão:
Mais um filme sobre o Holocausto?
Eu respondo desde já que não!
Não se trata apenas de mais um!
É verdade que se trata de um tema abundante e exaustivamente explorado pela 7ª Arte e é, para mim, igualmente verdade que este género conheceu o seu ponto mais alto com o sublime A Vida é Bela - o filme da minha vida - aparecendo numa segunda linha A Lista de Schindler, mas este filme, merece também, um lugar de relevo nos filmes sobre esta temática.
O filme conta-nos a história de Szpilman, que sobreviveu à criação do gueto de Varsóvia, à guerra, à descriminação racial e a todos os horrores perpetrados contra os Judeus.
E não se trata de apenas mais um filme sobre o Holocausto, porque infelizmente, Polansky sofreu na pele e conviveu de perto com esses horrores.
Quando criança, em Cracóvia, assistiu à sua mãe ser levada para Auschwitz sem bilhete de volta.
Existe, de resto, uma cena no filme, a agressão ao pai de Szpilman numa rua por um nazi, que é inspirada numa situação idêntica que aconteceu ao pai do Realizador.
Polansky consegue oferecer a sua experiência pessoal ao filme, fazendo com que os cenários e todo o ambiente sejam extremamente fidedignos, o que confere um grande realismo a toda a trama.
Assistimos no filme a várias cenas marcantes, mas uma delas é altamente tocante e comovente: o desmembramento e separação da sua família, que causa um efeito dúbio em Szpilman: a felicidade de viver e a infelicidade de perder os familiares.
Destacaria ainda a soberba Fotografia , especialmente a das cenas que mostram Varsóvia totalmente destruída e a excelente interpretação de Brody, que, de resto, lhe rendeu uma estatueta.
No entanto, a cena que acho mais tocante e que nos deixa arrepiados, a cena, que só por si, justifica o visionamento do filme, é aquela em que Szpilman toca Chopin – neste caso sem os célebres violinos - para o Oficial Alemão.
Fantástico!
Em suma, O Pianista é um filme que trata de valores e da ausência deles, que oferece um retrato imponente e comovente sobre a dignidade humana e mostra de forma chocante até que limiar esta disposto o ser humano a baixar para assegurar a sobrevivência.
O filme carrega ainda mais uma curiosidade:
Na minha opinião é complementar de A Lista de Schindler, isto é, neste o protagonista é um alemão - bem sei que o seu braço direito é Judeu, interpretação notável de Ben Kingsley, mas não é a mesma coisa - em O Pianista trata-se da visão de um Judeu, que sofreu com a perseguição anti-semita.
Portanto são pontos de vista opostos, que se completam.
Eu recomendo que se assista aos dois!

13 Comments:

  • caro compadre ;
    sem querer retirar o brilhantismo do realizador Polanski, terei que te relembrar que tal pessoa para alem de todos os meritos enfrenta uma acusaçao nos EUA, por violaçao de menores do sexo feminino, e que por isso se encontra proibido de entrar em solo americano. sera que a velha maxima que todos os genios tem algo de louco tb aqui se aplica ?
    um abraço,
    Jordao Felix

    By Anonymous Anónimo, at 1:25 da tarde  

  • Caro compadre,
    por acaso não sou especialmente apreciador de Polansky,
    aliás desde Chinatown que pensava que ele estava acabado como realizador.
    O Pianista no entanto ressuscitou-o, pelo menos aos meus sentidos e o filme é uma pequena obra de arte.
    Por acaso desconhecia q ele estivesse envolvido em processos de pedofilia.
    Isso no entanto não retira o brilho ao filme, embora Polansky esteja longe de ser um génio.
    Um grande abraço para ti,

    By Blogger gelsenkirchen, at 1:42 da tarde  

  • Pois o melhor filme que vi o ano passado foi " Uma casa na bruma". Excelente. Por tudo, pelo scrip- que é genial- e pelas prestações de Ben Kingsley e Jennifer Conelly- que anda muito mal aproveitada.

    O pior? Closer, sem dúvida.

    Ana Anes

    By Anonymous Anónimo, at 1:44 da tarde  

  • ANTI-SEMITA PRIMÁRIA DO DIA:
    Por acaso ainda ontem à noite vi em dvd o filme, fabuloso por sinal. Um dia ainda gostava de ver, em cinema, ser contada a história dos milhões de indíos chacinados na América, ou dos milhões de mexicanos mortos pelos espanhóis ou até mesmo os milhões de africanos torturados, escravizados e mortos pelos colonizadores brancos e porque não a história dos milhares de judeus que trairam, roubaram e mataram, tal como fizeram a Jesus, os seus companheiros judeus. Mas isto sou eu a dizer disparates...

    By Blogger José Carlos Soares, at 3:37 da tarde  

  • Ainda vou gostar de ver o dia em que Polansky tiver " tomates" para regressar aos EUA.. É que lá o aguarda um mandato de captura por violação de uma menor...

    By Anonymous Anónimo, at 4:22 da tarde  

  • Zé, então ontem não foste ver o " Tesouro"???

    aanes

    By Anonymous Anónimo, at 4:23 da tarde  

  • olá amigo, seria certo q hesitarias em colocar este post se conhecesses a longa história pessoal do Polanski, mas este seu filme sb o holocausto, é sem duvida o mais autêntico e real, e por isso para mim o mais violento.
    bjo sao

    By Anonymous Anónimo, at 6:54 da tarde  

  • 3 Filmes
    3 Realizadores judeus
    o Shoah continua...
    Viva a propaganda!
    ;)
    A

    By Anonymous Anónimo, at 10:03 da tarde  

  • Ainda não vi, mas há muito que está na minha lista de filmes para alugar e qui ça comprar (já agora Patrick teria a gentileza de me o emprestar? caso o tenha claro).

    Mas, relativamente a "A vida é bela", isso sim é um GRANDE filme. Já o vi várias vezes e choro sempre, e é impossível não o fazer, tantas são as emoções que o filme nos traz...
    É mesmo muito bom... já tou com uma lágriminha no canto do olho... :(

    Boa continuação e VIVA LA VITA... ELA É BELA, (independentemente de tudo o resto)!!

    Adília Martins

    By Anonymous Anónimo, at 9:27 da tarde  

  • Grande, grande, grande filme.
    E a crítica aqui expressa parece-me muito boa.
    Bom bLOGUE TB, PARABENS
    Vera Reis

    By Anonymous Anónimo, at 7:06 da tarde  

  • Thank you!
    [url=http://ytyvxjcy.com/nywd/vmxq.html]My homepage[/url] | [url=http://xpyvuipv.com/tlpj/kqsy.html]Cool site[/url]

    By Anonymous Anónimo, at 7:23 da manhã  

  • By Anonymous Anónimo, at 7:23 da manhã  

  • Nice site!
    http://ytyvxjcy.com/nywd/vmxq.html | http://lfqwbvtb.com/yvks/pnkk.html

    By Anonymous Anónimo, at 7:23 da manhã  

Enviar um comentário

<< regressar à página de entrada