Senhora do Monte

terça-feira, novembro 02, 2004

O que de mim me lembro, por agora...

Cumpre-me, conforme acordado pelos meus co-bloggers como tema dos primeiros posts de cada um, de mim falar um pouco. É um exercício, como a maior parte dos exercícios físicos e mentais, que com a idade me vai custando cada vez mais. É natural, mas vão-se os factos do arquivo da memória e ficam apenas as suas impressões na nossa personalidade, mais difíceis de interpretar por nós próprios.

Mas de alguns factos ainda me lembro ou tenho documentos que os atestam. Nasci no Porto em 26 de Junho de 1969 o que faz de mim um pré-lunar, nem que seja por apenas cerca de um mês. Terei visto o homem a pousar na lua, quiçá, mas se calhar não dei conta da importância do facto, na altura. Nasci no Porto mas sou de Barcelos. Como acontecia com quase todas as actividades de algum relevo social, ir a um Teatro, a um cinema, nascer, ir ao médico, enfim, naqueles dias quem pudesse ia ao Porto. Fui assim nascer ao Porto. Mal sabia que trinta e cinco anos volvidos iria morar no mesmo Porto que me adoptou, com a simplicidade que as pessoas do Norte põem em tudo o que fazem, quando para cá vim com dezassete aninhos para a Universidade Católica tirar o meu curso de Direito. Curso esse que me permite escrever, muitas vezes por linhas tortas, o Direito dos que o têm e o dos que o não têm.

Sou advogado. Foi algo que me custou a admitir dadas as outras hipóteses provocadas pela necessidade de assumir muito cedo alguns negócios familiares, mas é um pouco como nos alcoólicos anónimos, há que assumir : Tenho 35 anos e sou advogado e já não pratico há três dias (esta parte final, infelizmente, é a brincar).

Repararam que saltei completamente a minha infância, o que não quer dizer que não tenha sido relevante e digna de vo-la contar. Mais soa-me muito a psicanálise e vou esperar voltar a esse tema (talvez à Infância como um tema próprio, genérico e maravilhoso) quando me apresentar com o meu chapéu de Barcelense.

Sou casado com a Susana que é Economista e económica e não temos ainda filhos. Temos um cão, um Golden Retriever que dá (quase sempre…) pelo nome de Gaudí. Sim, esse, o arquitecto beato que foi atropelado por um eléctrico em Barcelona.
Agrada-me deveras a ideia de base deste blog, e julgo que serão os nossos posts que indicarão a direcção onde irá ele parar e não a direcção que se pretenda para ele a condicionar os nossos posts. Dá para “esticar as pernas” do nossos pensamentos entalados no trânsito ou na indiferença das pessoas com quem trabalhamos onde alguma elaboração na conversa sempre “ raises eyebrows” , mas aqui não. Até porque não vemos a cara do outro, o que lê. Aprecio isso.

Apareço pela mão do M.A.V., “compagnon de route” das políticas e de intermináveis conversas onde como dois viciados em algo proibido desfrutávamos com o nosso epicurista amor pelas palavras, do bem que elas nos fazem. Da política ficaram-me muitos amigos na vida e alguns inimigos invisíveis. Apenas quando se mete lá a cabeça (na Política) é que se vê que eles ainda lá estão.

Mas por agora chega. Nem que não queiram, vão ler mais de mim.


LPC

2 Comments:

  • Desde Novembro e só agora é que avisas?
    Sou novata em blogs, mas avisa se sair alguma coisa mais 'do meu estilo', bem sabes qual é...

    By Anonymous Marta aci, at 5:03 da tarde  

  • Olha, um querido amigo! e eu não sou política (nem correcta).
    A Marta aci queixa-se da falta de aviso... eu só por "mérito" acaso é que cá vim ter. Aguardo a descrição que farás sob o chapéu barcelense. Vivam os "arraiotos minhais" e os seus defensores!
    Rita Silva

    By Blogger Rita Silva, at 10:53 da tarde  

Enviar um comentário

<< regressar à página de entrada