Senhora do Monte

quinta-feira, julho 31, 2014

quarta-feira, julho 30, 2014

quinta-feira, março 31, 2005

O meu último post na Senhora do Monte

A minha participação no Senhora do Monte acaba aqui.
É uma decisão individual, ponderada e irreversível, que foi devidamente comunicada e explicada aos meus companheiros de estabelecimento.
Comuniquei-lhes também que contínuo a solo, com o Anjos e Demónios.
Farei assim companhia ao Último Reduto ( do Pedro) , ao Eu vou mas volto ( do Zé Carlos) e ao João Pedro Dias Blog ( do próprio), acreditando e desejando que os outros companheiros, também venham a abrir os seus próprios estabelecimentos na blogosfera.
Aprendi ao longo destes 4 meses que a blogosfera não é a coisa mais importante do mundo, mas que é um fenómeno de características ímpares.
Este período, pela qualidade da companhia, serviu de exemplar tirocínio.
Agradeço, em especial, aos meus companheiros de blogue pela amizade e consideração demonstradas.
É evidente que foi com enorme prazer que partilhei este espaço com o Pedro Guedes e o Mário Antunes Varela, dois brilhantes bloggers e amigos de longuíssima data, mas foi igualmente muito gratificante descobrir novos amigos, como o Luís Pinheiro Coutinho e o João Pedro Dias, ou voltar a privar mais de perto com amigos de outros Carnavais, como o José Carlos Soares.
Só por isso valeu a pena a experiência.
Uma palavra também de grande amizade e fraternidade dirigida ao meu velho amigo Stélio Correia Lopes, ao Pedro Ferreira Marques e ao António José Coutinho, que por razões várias não puderam participar com a intensidade dos demais autores do blogue.
Não esqueço também a Ana Annes que passou, no seu estilo furacão, aqui pelo estabelecimento o que faz dela co-autora do Senhora do Monte.
Deixo aqui, por último, um sentido agradecimento a todos os comentadores que foram passando pelo blogue e ajudaram a que o mesmo fosse mais vibrante e acutilante, e peço que não levem a mal que, neste particular, destaque as prestações dos que me são mais próximos e participaram mais intensamente:
Jordão Félix
Neuza Nobre
Marco Almas
Raio
JFM
José Carlos Freitas
LB
Carlos Correia
Zé Baptista
Samid ( ou João Dimas)
Marisa Pereira
Adília Martins
Carmen Inês
António Matos
AA
Marcelo Carvalho
Ângelo Carvalho
SAO
João Pedro Oliveira

Agradeço também o companheirismo e a ética de muitos autores de blogue e de blogues que ao longo destes 4 meses se referiram a nós como um blogue de referência, escreveram e referênciaram os nossos textos e falaram sobre o nosso blogue, o que constituiu uma grande fonte de estímulo e incentivo.
Destaco pela cordialidade e simpatia:
Raio, Cabalas
Freddy, Zona Franca
Francis, Berra-Boi
Jorge Ferreira, Tomar Partido
É a hora!
Palavras Alheias
Miss Pearls, Xanelcinco
Suburbano
Besugo e Lolita, Blogame Mucho
Nuno Moreira de Almeida, Arte de Opinar
Francisco Nunes, Planície Heróica
Duarte Branquinho, Pena e Espada
BOS, Nova Frente
Meia Livraria
Luís Oliveira, Actos Irreflectidos
Paulo Tómas, Analíticamente Incorrecto
Oferta Desinteressada
Tristezas não pagam Dívidas
À Espera dos Bárbaros
Antro do Anho
Palavras Alheias
Thelma e Louise, Thelma&Louise
Minha Rica Casinha
Corte na Aldeia
Ecléctico
A Arte da Fuga
Ruben Valle Santos, O Sítio do Ruvasa
e eventualmente outros que me escapem e que desde já peço desculpa.
Muito obrigado e muita saúde para todos!


P.S. O grupo decidiu que o blogue se manterá on-line, podendo continuar a ser consultado e lido por alguns eventuais interessados que por aqui possam aparecer e pelos próprios bloguistas da casa.

terça-feira, março 29, 2005

Anjos e Demónios: novo blogue

Desde ontem escrevo aqui.

domingo, março 27, 2005

As fotografias da Senhora do Monte - XIII

Medo
Image hosted by TinyPic.com
Ilia Lavreshkin

quarta-feira, março 23, 2005

Será uma verdade la paliciana ?

Um dia ouvi alguém dizer: " Devido à velocidade da luz ser superior à do som, algumas pessoas parecem inteligentes até as ouvirmos".
Hoje, numa reunião com um altíssimo representante da banca, confirmei isso de forma inequívoca.

segunda-feira, março 21, 2005

Dizer o quê?

Image hosted by TinyPic.com

Onde andam os escribas?

Por me encontrar na fase final de um processo de mudança de casa - tarefa de dificuldade inversamente proporcional à dificuldade que o FCP terá em ganhar logo mais no Alvalade XXI e que é nula - não tenho podido escrever aqui na casa.
Acontece que os restantes companheiros, verifico agora, também não têm exercitado a pena.
Por via disso o blogue parece o Deserto do Saara.
Repito: Onde andam os escribas?

sexta-feira, março 18, 2005

Arruma as botas, Bin Laden!

Segundo rezam as crónicas, o mentiroso relapso e contumaz - como dizia o Múrias, que Deus tem - reuniu em Lisboa com representantes da organização terrorista ETA, mascarados sob a forma de "Batasuna". A notícia não seria de espantar, não fosse o caso revelar um trajecto de enorme coerência, prática reiterada ao longo dos tempos com convicção de obrigatoriedade. Não sei se estão os meus amigos lembrados que foi a mesmíssima personagem que houve por bem, em tempos, dialogar com os terroristas do PAIGC, do MPLA, da FRELIMO e mais houvesse...
Anos mais tarde - não muitos, para não esquecer - e sempre compreensivo na sua enorme bondade humana que valia para todos menos para o Múrias, entendeu o douto ex-presidente limpar a folha de serviços da maltosa das FP-25 de Abril - gente de grande quilate a quem só faltou conceder uma Torre e Espada por ocasião do 10 de Junho. De caminho, encontrava-se às escondidas com camaradas seus italianos pisgados à justiça. E para completar o ramalhete, botou o mundo a sorrir ao querer sentar à mesa das negociações Bush e Bin Laden...! Isto sim, é um pacifista! E como bem diz o BOS, não é uma eminência parda: é uma eminência parva.

quinta-feira, março 17, 2005

Posto de escuta - V

Pavlov's Dog

Image hosted by TinyPic.com


Nesta rubrica Posto de Escuta devia existir uma sub-rubrica a que chamaria “Discos Perdidos”. Perdidos na nossa memória ou mesmo perdidos em alguma mudança de casa ou de gosto. Serviria para homenagear aquela música, aquela banda que nos marcou em dado momento, ou que entrou na nossa vida e ficou, mas, como com aquele amigo de sempre, não mantemos muito contacto.

Há quase vinte anos conheci os Pavlov’s Dog. Tenho os seus dois álbuns editados em vinil e mais tarde comprei os CD. Ambos são de 1976. Encerram algumas das músicas mais bonitas e melodiosas que conheço e a voz surpreendente de David Surkamp é intemporal. Podemos situar estes álbuns dizendo que em 1976 os Genesis publicavam “A Trick of the Tail” , que era o tempo dos Jethro Tull, do nascimento da Punk Music. Experimentava-se com as guitarras eléctricas como no “Frampton Comes Alive!” de Peter Frampton. E os Pavlov’s Dog aliavam o Rock musculado a uma voz efeminada, que atinge notas muito “altas” (muitos julgam que é uma mulher que canta) a violinos , a um magnifico piano e a belos acordes de guitarra. Do inesquecível “Julia” ou do “Of once and future kings “ ambos do álbum "Pampered Menial" de 1976 ou no segundo álbum, “At the sound of the bell” do qual tenho dificuldade em escolher uma música, pois todas são muito bonitas em estilos bastante diferentes.

Originaria de St. Louis, no Missouri, a banda assinou excelentes contratos com a Columbia e a ABC/Dunhill, chegando a ser editado o primeiro álbum ao mesmo tempo pelos dois “labels”.

Após o “At the sound of the bell” e estando o terceiro álbum já gravado, a banda entra em ruptura com a Columbia e são despedidos, indo o referido terceiro álbum para a "prateleira", existindo apenas em gravações semi-piratas com base numa demo com que a banda ficou. Este é mesmo um caso de uma banda que passou ao lado de uma brilhante carreira.

Mas mais do que as palavras fica aqui, num first na Senhora do Monte, a música dos Pavlov’s Dog.:

Quando soar o sino cliquem todos.

STANDING HERE WITH YOU (MEGAN'S SONG) - Pavlov's Dog, At the sound of the bell, 1976


LPC

terça-feira, março 15, 2005

Sortes e azares

Viver no paraíso é sorte.
Ser apanhado por um tsunami é azar.
Ser descoberto e salvo é sorte?
Usar a camisola da selecção portuguesa não é sorte.
Tão pouco será azar.
Ser ajudado a recomeçar mercê dessa escolha inconsciente ou dessa não escolha é sorte?
Não, azar não será...
E tornar-se de repente o centro polarizador e agregador de boas-vontades e misericordiosas ajudas?
Todas públicas e todas publicadas, claro.
É sorte ou é azar?
Safe-se da onda e receba 19 sofás de sala juntamente com a solidariedade dos comerciantes de móveis de Paços de Ferreira.
As boas vontades e as misericórdias serão certamente bem intencionadas, desinteressadas, genuínas. Não é isso que interessa.
Isso são contas de outro rosário.
Ser salvo e viver assim, mico de montra, com a camisola verde-rubra a aplacar consciências misericordiosas por esse Portugal afora...
É sorte?
É azar?
Pois, podiamos falar um bocadinho do bem e das razões para a sua prática. Até parece que há umas obras, uns escritos, umas teorias filosóficas sobre isso...
Fica para depois, não quero maçar.
Ah! E um bem haja a todas os que deram uma cadeirinha, uma escrivaninha, um aparador... Deus queira que não venha outro quando não estraga-se tudo...
Valha-nos Deus...